segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Dia Solidário dos calouros da Castelli ESH e Associação Chico Viale No dia 17 de fevereiro (terça-feira), em Canela, os calouros da Castelli Escola Superior de Hotelaria estarão realizando o Dia Solidário. Das 8h30min ao meio-dia e das 13h30min às 16h, os estudantes estarão se cadastrando como doadores de medula óssea, contribuindo para que novas vidas sejam salvas. A ação solidária se realizará com a parceria do Hemocentro do Rio Grande do Sul, Associação Chico Viale - Doe sangue, doe vida -, Hotel Continental, Empório Canela e Olímpia Restaurante. O evento será aberto à comunidade. Poderão participar pessoas entre 18 e 55 anos, com boa saúde e que não tenham doença infecciosa ou incapacitante. Os interessados em se tornarem doadores preencherão um formulário com seus dados pessoais e tirarão uma pequena amostra de sangue. Este sangue apresentará as características genéticas, que serão comparadas com os dados de quem espera por um transplante de medula óssea. Este comparativo é que analisará a compatibilidade entre pessoas. A chance de encontrar uma medula compatível é de uma em cem mil, por isto são realizadas as campanhas de cadastro de doador de medula óssea. As equipes do Hemocentro/RS e da Associação Chico Viale estarão preparadas para cadastrar 300 doadores de medula óssea durante o Dia Solidário dos calouros da Castelli Escola Superior de Hotelaria.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

encontrei uma carta que havia escrito em outubro/2008 para minha filhinha Maria Rita (sem saber se vinha ela ou João Renato, mas com muito amor por quem viesse)...

17/10/2008

Para minha filha Maria Rita,

Dentro de pouco tempo estarás aqui entre nós. tenha a segurança de que serás bem recebida, de que muitas pessoas te esperam com ansiedade e amor. são tantos os desejos sinceros de muita saúde para ti. isto é o que mais importa, pois com saúde poderás alcançar os teus sonhos e as tuas metas.

Quando me descobri grávida fiquei assustada. para falar a verdade sou um tanto egoísta e me detive a pensar em como minha vida seguiria o rumo planejado por mim, tendo tu ao meu lado. nunca fui muito boa nos caminhos à dois. não é por mal. sou atrapalhada para manifestar sentimentos, abraçar, procurar as pessoas. talvez por isto eu escreva tanto. com a evolução da gravidez uma segurança foi invadindo-me. reclamei muito dos enjôos, da azia. fiquei pasma com os quilos adquiridos e concentrados na barriga. tudo se tornou passageiro como um desabafo. e em seguida aquela segurança inundava-me novamente e eu tinha vontade de abraçar a humanidade. acho que esta é a missão dos filhos na vida dos pais: fazê-los vencer a comodidade do egoísmo e fortalecer-se para construir um mundo melhor para todos.

Não sou uma otimista convicta. muito contrário. os dias cinzentos corroem minha alma e preciso de muito esforço para me levantar da cama. mas quando levanto e vejo as cachorras brincando, uma paz ressurge. apesar de tudo os animais insistem na vida, as árvores seguem seu ciclo normal. os passarinhos voltam a cantar na primavera. a vida está ao nosso redor. e intensa na sua maneira de se expressar.

Quando me vi grávida eu não conseguia pensar no teu enxoval, nas tuas roupinhas. minha preocupação era "o que irei oferecer a esta criança, que já me dá tanta esperança?" olhei para os vários lados do meu mundão e do meu mundinho e fiquei ainda mais triste. pessoas sem orientação, guerras, logros, ambição descontrolada, maus tratos aos animais, falta de educação. o que irei te oferecer criança? semanas atrás eu parecia uma ansiosa descontrolada querendo consertar o mundo que irá te receber. senti ódio de quem não pensava como eu. impus uma rotina pesada para um organismo que pede descanso temporário. chorei muito. e tu, frágil coisinha forte, mostrou-se numa agitação sem tamanho. sem querer deixei-me envolver pela pressão, pelo egoísmo, pelo falso poder do mundo de cá e te ofereci isto. enquanto havia muitas outras coisas boas a te oferecer: brincar com as cachorras, plantar uma flor, arrumar a nova casa, caminhar, ler, escutar música, ajudar a quem precisa.

Meu anjinho de largas asas, que sacodem minhas costelas, não posso te dar um mundo mais harmonioso. não posso te garantir convivência com pessoas do bem. mas posso te oferecer respeito, gentileza, amor e solidariedade. aprendi tudo isto com meus pais. esta foi a herança que recebi e será esta a herança que te passarei. acho que assim estarás preparada para conhecer este mundo, ora estranho, ora lindo. terás que aprender sobre a dor e a alegria. terás que sentir os dias cinzas e os ensolarados. algumas vezes cairá, mas tenhas a tranquilidade para sentir o tombo, olhar em frente e levantar. minhas duas mãos estarão ao teu lado. é isto que posso te oferecer. viva e seja feliz, Maria Rita.