sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

O caminho se faz caminhando, com Adão Samir

Seu nome é Adão Samir Eger e enquanto muita gente corre atrás de um trabalho numa empresa grande, Adão Samir cria a sua empresa para trazer muita gente para a sua terra serrana, São Chico. Com 33 anos, Adão é o criador da agência Caminhos de Cima da Serra – Agência de Ecoturismo. Graduado em Turismo, pela Faccat, e grande interesse pelos assuntos sustentáveis e de respeito à natureza, Adão diz que a sua agência tem como foco a geração de resultados práticos para os clientes, atendendo necessidades, anseios e disponibilizando conhecimento, experiência e vivência. O rapaz acredita no turismo sustentável, setor em evidência nos dias de hoje que atende, simultaneamente, às necessidades dos turistas e das regiões receptoras. É um turismo que também protege e amplia as oportunidades para o futuro, que pensa e faz equilibrar as questões sociais, econômicas, ambientais, culturais e de diversidade. Em outras palavras: que estimula a vinda de visitantes, sem interferir na vida dos moradores e do local.


Adão e a contemplação, a certeza de um novo roteiro turístico

“Nossa região tem locais lindos, que para ver, só se for caminhando, observando a natureza ao redor”, completa Adão. Ele lembra das pessoas que já vieram, fizeram as caminhadas promovidas pela agência e os bons comentários sobre o prazer de tal atividade. “As pessoas perguntam sobre a fauna e a flora, além de quererem saber como vive o povo serrano”, completa ele.



Por falar em caminhada, neste domingo (27/02) acontece a caminhada da Guabiroba, em São Francisco de Paula. A saída está marcada para às 8h30min, na Pousada Pomar Cisne Branco, bem pertinho do lago São Bernardo. O tempo previsto de caminhada é de três horas. Da saída da Pousada Pomar Cisne Branco, o grupo segue em direção ao lago São Bernardo, seguindo a avenida Julio de Castilhos até Av. Getúlio Vargas, onde está localizado o busto do mesmo. Na entrada da Colônia Carapina, seguirão até a Guabiroba, onde terá um transporte para buscar os participantes. O almoço será no Pomar Cisne Branco e todos terão a oportunidade de experimentar o famoso churrasco na vala. Durante a caminhada, além dos atrativos naturais, poderão ser contemplados monumentos históricos da cidade, como a Cuia, a Praça Capitão Pedro da Silva Chaves e a Igreja Matriz. Para os apaixonados por história, a caminhada percorrerá estradas antigas do município, com vales e pequenos riachos que cruzam o caminho. Os organizadores sugerem que os participantes utilizem roupas leves e calçados confortáveis para a caminhada. E sem esquecer proteção para o sol e para a chuva. Mesmo com chuva e frio o evento será realizado. Em São Francisco de Paula, a chuva é uma constante. Seja verão, primavera, outono ou inverno. A possibilidade de acontecer uma “viração” é constante e já não surpreende os moradores, que estão sempre preparados para os humores do tempo. Para Adão a chuva não atrapalha. “Ela é uma atração a mais, pois junto com a chuva vem a cerração e o frio... E para quem vem para esta região é algo certo que será encontrado”, diz ele. A chuva é inevitável. É preciso saber ver seu lado positivo e curtir as atrações da região.

Caminho da Guabiroba via Google
Adão não se queixa. Afirma que trabalhar com turismo é fascinante. “Trabalhar com pessoas não é fácil, pois você tem que contentar, fazer que o outro sintá-se realizado em fazer aquilo, que é um sonho para aquela pessoa...não é fácil, mas nada na vida é!”, já filosofa Adão, que mantém o foco em suas metas: criar cerca de vinte roteiros diversificados, aqui em São Chico, onde se possa visitar desde a Unidade de Conservação daqui da região, aos parques, fazendas e caminhos antigos, ainda não explorados como roteiros turísticos. Adão, nos últimos quatro anos, enquanto planejava a agência, conduzia pessoas pela região. Nos últimos dois anos foi na Floresta Nacional (Flona-SFP). Para ele esta experiência foi marcante. Além de conduzir pessoas do meio cientifico e acadêmico, neste período conduziu mais de 2.500 pessoas, somente lá dentro da Flona. Adão gosta do que faz e se preocupa com o turista.

“O turista que chega à São Chico quer sossego, contato com a natureza, quer sair do agito das cidades. São Chico é um lugar turístico por natureza, temos uma cultura rica e uma natureza maravilhosa. O que falta é uma visão de empreendedorismo da comunidade com relação ao turismo. Mas para isto acontecer é preciso a comunidade querer. Vejo que nós, como comunidade, ficamos esperando o desenvolvimento turístico apenas da parte publica , mas nós, comunidade e iniciativa privada, temos grande responsabilidade para que isto se desenvolva”, completa o profissional de turismo.

Entre as grandes atrações está a araucária, seja sozinha ou em capões nos campos. Animais também são observados. Geralmente pássaros, além de insetos. “Animais de grande porte, como leão baio e veados, são animais de hábitos noturnos e quando eles sentem a presença do homem não aparecem”, informa Adão.


Turista tem que levar mochila para caminhar. E na mochila tem que ter: calça de agasalho/malha para trocar em caso de chuva; jaqueta confortável para o frio; capa de chuva; boné; óculos de sol; cantil ou garrafa de água mineral; saco de lixo; lanche leve e frutas; filtro solar; máquina fotográfica e/ou filmadora; ítens de primeiros socorros e documentos pessoais. Além disto é preciso um passo de cada vez para realizar uma caminhada proposta por Adão Samir. E disto o rapaz entende.

Reservas para os roteiros pelo site http://www.caminhosdecimadaserra.com.br/

P.S: Em março, acontecerá a Caminhada da Mata Atlântica. Mais informações no site.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Moça de alma rara é Ingrid, a mãe da Larissa e do Caio e irmã do Max

Ingrid é daquelas pessoas que mandam bem em tudo. Come bem, fala bem, escreve bem, reclama bem. Ingrid é pessoa necessária. Começou sua experiência como mãe, em 2003, quando a Larissa nasceu. Em 2009 foi a vez do Caio. “Desde criança sentia uma certeza fortíssima de que seria mãe”, completou Ingrid.



Ingrid, Larissa no abraço e Caio no colo

Ingrid Strelow é bióloga e blogueira no Desconstruindo a Mãe. “Nem sei dizer como foi que começou, mas acho que acabou realizando uma imensa vontade de trabalhar com meus sentimentos, já que sempre me expressei melhor pela escrita. Começou como um diário e foi crescendo. Fui conhecendo mães que compartilham experiências semelhantes, outras diferentes, muitas trocas de idéias foram se tornando vínculos de amizade. O blog foi sendo incrementado e aparentemente também interessou a pessoas como eu, que começaram despretensiosamente. Agora já começaram a aparecer possíveis patrocinadores, o que é bárbaro!”, comemora a balzaquiana.

Ingrid é uma pessoa de opinião. Tem pensamento formado sobre quase tudo, mas é em relação aos filhos que é mais categórica. Gosta de ver as crianças dormindo, como acordam e desejam o colo da mãe tão dedicada. Brincar e ler histórias juntos é uma rotina mágica, é momento de sorrisos, de perceber os filhos aprendendo coisas novas, intensificando a cumplicidade... “ O que menos gosto é de quando, pessoas que pensam estar agradando meus filhos, resolvem desautorizar o pai delas ou a mim; isso gera conflitos. E os conflitos, que são desnecessários, poderiam ser evitados se as pessoas soubessem que algumas decisões e combinações entre pais e filhos têm razão de existir”, defende a moça que sonha com mais filhos, naturais ou adotados.



Não se esqueçam que o blog da Ingrid também é filhinho amado. “O que mais gosto é da possibilidade de rever minhas idéias e experiências e de perceber que há muito mais gente que passa por situações semelhantes e que há formas alternativas de lidar com elas, não apenas aquelas que existem nos livros de auto-ajuda, que viraram best-sellers, nem as que eu tive como filha”, defende a mãezona, que além da carreira solo planeja um blog escrito em conjunto com outras mães. De cara já saí dizendo que não gosta de preconceito, de gente que plagia, que se aproveita dos outros.

E blog é coisa séria para ela. Além de escrever e dividir experiências, também faz trabalho social. “Na época que antecedia o Natal fiz um sorteio no Desconstruindo a Mãe”, desta vez com produtos de uma ONG (Tudo Colorido), que eu considero séria, então comprei produtos para ajudar a causa de tirar animais abandonados das ruas e tratá-los, encontrar lar pra eles, ao mesmo tempo divulgando os produtos artesanais que são vendidos em seu site para manter esse trabalho. Isso gerou novos seguidores para a Tudo Colorido”. Ah! Detalhe importante: Ingrid não é chegada à momento celebridade; “vejo que alguns assuntos geram mais comentários, mas não mudo o blog pra ter popularidade”. Recado dado.

A família


A moça que zela o bem para todos quer ter uma casa com jardim. Por enquanto mora com as crianças, o Alemão (marido) e dois cachorrinhos em um apartamento, na capital gaúcha. Será que você já cruzou com ela? Talvez na rua? Talvez na internet. Ingrid participa de redes sociais, mete a boca em debates virtuais, promove campanhas que iniciam por emails e se completam na vida real.


A mãezona tem planos para os filhos, “mas as crianças sempre mostram que têm planos pra si também. Acho que o principal dos planos é apresentar a eles valores que os tornem bons cidadãos, seres humanos envolvidos com a coletividade, solidários e compassivos. Bons, mas não bobos”, lembra rapidinho.

Mas o grande coração dela aparece quando fala do irmão, Max. “Meu maior sonho, material e espiritual, é de ver acontecer a cura para a distrofia muscular e que meu irmão possa ver isso acontecer. Melhor ainda se ele puder se beneficiar disso”, fala bem rápido a mãe, que agora assume o papel de irmã corujona. E as próximas palavras são dela...

“O Max é o meu único irmão, tem 32 anos, uma mente brilhante e uma pessoa fascinante. Estudou filosofia e administração e se aposentou por invalidez em 2010, depois de 10 anos como funcionário concursado de um banco. Ele é uma grande inspiração e uma força de vida que não sei como descrever. Uma pessoa que amo e admiro tanto que convidei pra ser padrinho dos dois filhos.


Quando ele tinha 3 anos começou a não fechar os olhos pra dormir, em nenhum momento do sono. A mãe ficou muito desconfiada, procurou o pediatra e ele achava que o Max tivesse vermes. Ainda nesse ano ele começou a demonstrar dificuldades pra falar, que até então, não tinha e depois de anos correndo atrás pra saber o que significavam os vários sintomas que se seguiram (paralisia facial, caminhar nas pontas dos pés, um certo jeito típico de se levantar quando agachado ou sentado etc.), descobrimos que ele tem uma doença neuromuscular – degenerativa – chamada Distrofia Muscular.


Para falar melhor sobre a doença em si, tem o site da Associação Brasileira de Distrofia Muscular. O que eu posso dizer é que quando um médico diz prá uma mãe que ela tem um filho com doença grave e que não vale a pena educá-lo, que melhor seria deixá-lo com os avós e ir viver sua vida... além de não ter ética, nem sensibilidade nem humildade. Ninguém pode determinar quanto um ser humano pode viver. Disseram que ele não passaria dos 8 anos.


Desde então muitas descobertas foram feitas sobre a Distrofia Muscular Progressiva e há diferentes tipos identificados, cada qual com sua singularidade, mas as doenças têm fatores comuns entre si. O Max sempre fez fisioterapia, mas já fez diversos tratamentos para manutenção de uma boa qualidade de vida. Mas acho que o principal fator a ser considerado é que ele gosta de viver porque sempre foi incentivado pela minha mãe a isso. Ele estudou, brincou, aprendeu, participou de passeios ciclísticos, andou de carrinho de lomba, fez passeios, teve uma infância normal mesmo com as limitações físicas impostas pela distrofia.


Nunca foi menosprezado ou subestimado pela família por ter dificuldades. E quando parou de caminhar após uma queda na adolescência, não se isolou: participou de grupos de jovens, viajou, acampou, sempre contando com o apoio dos amigos e colegas.


Não sei se ele me autorizaria a falar mais detalhes, mas o que posso te dizer é que o Max é um guerreiro; mesmo se aposentando por invalidez, ele continua estudando e se superando constantemente. Ele vai a shows, não vive isolado. Ele é engajado, do tipo que participava de sindicato, de centro acadêmico... Mas ao mesmo tempo é bem tímido e não gosta de se expor.


Por um bom tempo tentei reanimar a Associação Gaúcha de Distrofia Muscular (AGADIM), que está no ostracismo, mantendo por minha conta um domínio, um site feito pelo meu marido em que eu gerava conteúdo, mas muitos pacientes se foram e as famílias acabaram largando a associação de mão. Confesso que em 2010 eu decidi parar de fazer tudo sozinha. O Max, que nunca se sentiu bem representado pela AGADIM, está se unindo a outros pacientes, mais jovens como ele, pra dar uma revigorada e estou muito feliz, porque ele nunca quis participar da associação, que via como um grupo de familiares... Isso está me motivando a retomar o site (www.agadim.org.br). É uma meta pra 2011”. Precisa mais algum comentário?

Alemão, o marido parceiro


Ingrid, chora com tudo que toca o coração. Chora com maldade e solidariedade. Valoriza o contato com os amigos e a convivência nos mundos diversos (virtual e real). Faz campanha pela valorização da “super mãe”, mas sem exageros. Prega a volta da feminilidade e do namoro de casais acostumados com o cansaço do cotidiano. Ingrid é coisa rara. A comemoração do aniversário de dois anos do Caio foi uma fugida a um sítio para curtir bugios, marrecos, gansos, pássaros, sem esquecer do Patrick e do Bob Esponja, cães da família, que foram juntos. E o passeio foi memorável.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Chamada para doadores de sangue, em Porto Alegre/RS

Você, que está acompanhando cada postagem do blog e conhecendo como nasceu a Chico Viale, poderá fazer ainda mais: você poderá doar sangue! São dois casos. Leia a mensagem e veja em qual endereço fica mais fácil para você e faça a sua doação!

* Precisamos de 10 doadores de sangue, qualquer tipo. A doação deve ser feita no nome de Eduardo Indalancia, Hospital Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul, no Laboraório Marques Pereira-Rua Vasco da Gama ,84 - Bonfim- Porto Alegre/RS

O telefone para contato é fone (51) 33118473.

* Segunda caso: O Adriano, de trinta e poucos anos, está com leucemia. Ele está internado na Santa Casa, e recebe, diariamente, bolsas de plaquetas (componente do sangue). O Hospital está solicitando doadores urgente (precisamos de 30 doadores!), por que nesta época os estoque nos Bancos de Sangue diminuem muito (o pessoal saí de férias e não faz a doação regular).

A doação deve ser no nome de Adriano Kunze Rigon, lá no Hospital São José, no Complexo Hospitalar da Santa Casa, em Porto Alegre, também.
Agora chegou a sua vez de ajudar! Vai lá e dá o braço. E não esquece de levar a carteira de identidade!

Para quem está chegando agora...

Pode parecer estranho entrar no blog e ver tudo relacionado à 2007. Para quem não pegou as postagens iniciais, estou postando a história da Associação Chico Viale. Registrando todos os fatos e reflexões destes últimos quatro anos. Saiba mais acessando os links "Associação Chico Viale: o milagre aconteceu".

terminando do ano de 2007

Eu acredito em Deus. Apesar de ter odiado Ele nos últimos tempos.

22 de dezembro de 2007 - morre Norton Nascimento

Norton Nascimento, ator, morreu aos 45 anos. Em dezembro de 2003, Norton Nascimento submeteu-se a um transplante de coração para corrigir um aneurisma de aorta.



Na época, o ator precisou de 73 doações de sangue, entre sangue, plaquetas e plasma. Recebeu um coração, doado pela família de um médico carioca que morreu num acidente de carro.

Nos seis meses de recuperação fez trabalhos em prol de comunidades carentes. Fez ainda uma campanha de doação de órgãos na Rede Globo. "Doar é amar", disse, na época.

Em 2001/2002, vi ele no bar dos Metralhas, em Canela. Um homem lindo, cheio de saúde, cantando e fazendo festa. Estamos todos morrendo?